RedeGNI

Global News International

Manchete

Sobrinho de Haddad chefia empresa que movimenta bilhões sem pagar Impostos, diz jornal

Sobrinho de Haddad chefia empresa que movimenta bilhões sem pagar Impostos, diz jornal

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, a Binance, uma das maiores corretoras de criptomoedas, está sob intenso escrutínio tanto no Brasil quanto internacionalmente. O CEO, Changpeng Zhao (conhecido como CZ), renunciou ao cargo no final de novembro, em meio a investigações sobre violações de prevenção à lavagem de dinheiro e descumprimento de sanções do governo americano. Ele confessou e aguarda sentença de prisão.

No Brasil, o foco sobre a Binance se intensificou após a CPI das Pirâmides Financeiras, onde foi descrita como a plataforma preferencial para golpes, levando ao pedido de indiciamento de Nazar, sobrinho de Haddad, e do ex-CEO CZ. A empresa enfrenta questionamentos sobre a evasão de impostos, alegando ser uma operadora internacional sem sede no país. Em dezembro, o novo CEO, Richard Teng, desviou de perguntas sobre a localização da sede da empresa.

Apesar de não ter sede oficial no Brasil, a Binance possui uma operação considerável no país, incluindo o patrocínio do Campeonato Brasileiro de Futebol e uma equipe de cerca de 200 funcionários. A empresa também está envolvida em um litígio com o banco Acesso, disputando R$ 450 milhões na Justiça.

Guilherme Nazar, ao depor na CPI, enfatizou que as operações de compra e venda de criptoativos são realizadas por empresas não brasileiras, defendendo a prática de não recolher tributos. A Receita Federal, por sua vez, investiga “eventuais fraudes” em operadoras estrangeiras que atuam no Brasil sem pagar impostos.

A Binance enfrenta acusações similares em outros países. Nos EUA, a empresa pagou US$ 4,3 bilhões em um acordo que encerrou uma investigação do governo americano. A secretária do Tesouro, Janet Yellen, criticou a Binance por ignorar obrigações legais em busca de lucro.

No Brasil, o ex-CEO CZ e Guilherme Haddad Nazar foram indiciados pela CPI por violações da lei de crimes contra o sistema financeiro nacional e operação de instituição financeira sem autorização. A empresa, em sua defesa, afirma atuar em conformidade com o cenário regulatório brasileiro e destaca seu apoio à regulação e inovação.

O Ministério da Fazenda, junto com a Receita Federal e o Banco Central, está atuando para esclarecer e regularizar o mercado, incluindo a fiscalização de corretoras estrangeiras que operam no Brasil. O Banco Central destaca sua competência na regulação do mercado de criptoativos e menciona um pedido de autorização da Binance para aquisição de uma corretora de valores mobiliários, atualmente em análise.

Hora Brasília

Midia move o mundo