A verdade dos fatos é a nossa notícia

Rede GNI

Agatha Christie é a nova vítima do ‘politicamente correto’

Pode até parecer absurdo, bizarro, e totalmente inimaginável, mas a realidade aponta para um abuso do socialismo e do comunismo ao impor restrições (censuras) e obrigar editoras renomadas alterar as obras históricas de Agatha Christie, em nome do ‘politicamente correto’.

A lendária autora e escritora britânica deve estar revirando-se em seu túmulo.

Agatha e sua obra foram vítimas de censuras, e o mais grave: as editoras dobraram-se e curvaram-se ao império do cancelamento, ameaças e da censura.


Obras escritas em outra época, outro contexto histórico, outra ‘civilização’ e em outra ‘sociedade’.

Em respeito à memória da autora, sua obra deveria permanecer intacta.

Mas…

Vários romances de Agatha Christie foram editados para remover linguagem “potencialmente ofensiva”, incluindo “insultos” e referências à etnia.

Os mistérios de Poirot e Miss Marple escritos entre 1920 e 1976 tiveram passagens retrabalhadas ou removidas em novas edições publicadas pela Editora Harper Collins, detentora dos direitos das obras, para retirá-los de linguagem e descrições que o público moderno considera ofensivo, especialmente aqueles envolvendo os personagens que os protagonistas de Christie encontram fora do Reino Unido.

Leitores sensíveis e emocionados fizeram as edições e alterações, que ficaram evidentes nas versões digitais das novas edições, incluindo todos os livros de Miss Marple e romances selecionados de Hercule Poirot que serão lançados ou que foram lançados desde 2020, informou o jornal britânico Telegraph.

Entre os exemplos de mudanças citados pelo Telegraph está o romance de Poirot, Death on the Nile, de 1937, no qual a personagem da Sra. os olhos são simplesmente nojentos, o nariz também, e acho que não gosto muito de crianças”. Isso foi reduzido em uma nova edição para afirmar: “Eles voltam e olham, e olham. E não acredito que goste muito de crianças. Na nova edição do romance de Miss Marple, A Caribbean Mystery, de 1964, a reflexão do detetive amador de que um funcionário do hotel sorrindo para ela tem “dentes tão brancos” foi removida, acrescentou o jornal.

Embora esta não seja a primeira vez que o conteúdo dos romances de Christie foi alterado, seu romance de 1939, And Then There Were None, foi publicado anteriormente com um título diferente que incluía um termo racista, que foi publicado pela última vez com esse nome em 1977, e incluía este palavra repetidamente na história. Acredita-se que a Agatha Christie Limited, uma empresa administrada pelo bisneto da autora, James Prichard, lide com o licenciamento de seus direitos literários e cinematográficos. A empresa e a Harper Collins foram contatadas para comentar.

Rachel Hall | The Guardian
@rachela_hall

Edição: Léo Vilhena | GNI
@LeoVilhenaReal

Rede GNI | A verdade dos fatos é a nossa notícia https://redegni.com.br/ Twitter: @RedeGNI Gettr: @RedeGNI Instagram: RedeGNIreal