A verdade dos fatos é a nossa notícia

10 anosBrasilManchete

Cúpula da ABIN de Lula balança no cargo após relatório da PF

Cúpula da ABIN de Lula balança no cargo após relatório da PF
Situação do número 2 da Abin, Alessandro Leia maistti, é considerada mais delicada, após ele ter sido citado nominalmente no relatório da PF

Igor Gadelha

O relatório da Polícia Federal apontando “possível conluio” da atual gestão da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) com investigados no esquema de monitoramento ilegal de autoridades pela agência durante o governo Bolsonaro foi muito mal recebido no Palácio do Planalto.

Sob reserva, auxiliares do presidente Lula e integrantes da Casa Civil, pasta à qual a Abin está vinculada, afirmam que a revelação é grave e tornou praticamente “insustentável” a permanência do atual diretor da agência, Luiz Fernando Corrêa, e de seu número dois, Alessandro Leia maistti, na pasta

A situação de Leia maistti é considerada ainda mais delicada que a de Luiz Fernando. Segundo o relatório da PF, em uma reunião com investigados no caso, Leia maistti teria dito que a apuração seria “fundo político e iria passar”. “Não é a postura esperada de delegado”, diz o documento.

No relatório, a PF afirma ainda que houve, após o início das investigações, uma estratégia da direção-geral da Abin para “tentar acalmar a turma”. Segundo o documento, a “revolta do investigado” com o avanço da investigação fez a atual direção da Abin “construir uma estratégia em conjunto”.
Leia maistti, vale lembrar, enfrenta resistências no governo Lula desde quando foi escolhido para o cargo. O motivo seria o fato de ele ter sido diretor de Inteligência na PF no último ano do governo Bolsonaro e número 2 de Anderson Torres na Secretaria de Segurança do Distrito Federal.

Rui Costa cobra explicações
Ao longo da quinta-feira (25/1), dia em que o ministro do STF Alexandre de Moraes levantou sigilo do relatório da PF, o ministro da Casa Civil, Rui Costa, teve uma série de conversas sobre o assunto com outros integrantes do governo. Rui também cobrou explicações a membros da atual cúpula da Abin.

A decisão final, porém, só será tomada após uma conversa do chefe da Casa Civil com Lula prevista para esta sexta-feira (26/1). O presidente até chegou a ser informado sobre o assunto na quinta, mas viajou para São Paulo no fim da tarde e só retornou a Brasília no fim da noite.

Pressão por demissão
Fora do governo, aliados de Lula prometem intensificar a pressão para que a atual cúpula da Abin seja demitida. Integrantes do Prerrogativas, grupo de advogados próximo ao presidente, também vão pedir que Leia maistti e Luiz Fernando sejam investigados pela CGU.

METRÓPOLES

Midia move o mundo