A verdade dos fatos é a nossa notícia

Agências de Notícias InternacionaisManchete

Cidadã brasileira acusada de fraudar imigrantes investidores

Cidadã brasileira acusada de fraudar imigrantes investidores
Um grande júri federal retornou uma acusação, que foi divulgada hoje, acusando uma mulher brasileira de se passar falsamente por advogada de imigração e de fraudar seus clientes em aproximadamente US$ 700.000.

De acordo com a acusação, Patricia De Oliveira Souza Lelis Bolin, 29 anos, residente em Arlington, se passou por uma advogada de imigração capaz de ajudar clientes estrangeiros a obter vistos E-2 e EB-5 para os Estados Unidos. O programa EB-5 proporciona residência permanente legal e possível cidadania, se um cidadão estrangeiro investir fundos substanciais – normalmente, um mínimo de 1 milhão de dólares – em empresas qualificadas que criam empregos nos Estados Unidos.

De acordo com a acusação, em 22 de setembro de 2021, Lelis Bolin enviou um acordo de retenção legal a uma vítima para obter ajuda na obtenção de vistos EB-5 para os pais da vítima. A vítima fez dois pagamentos iniciais totalizando mais de US$ 135.000 com base na declaração de Lelis Bolin de que o dinheiro estava indo para um projeto de desenvolvimento imobiliário no Texas que se qualificava para o programa EB-5. Em vez disso, o dinheiro da vítima teria ido para a conta bancária pessoal de Lelis Bolin. Em vez de investir o dinheiro conforme prometido, Lelis Bolin supostamente o usou para pagar a entrada de sua casa em Arlington, reformas de banheiros e pagar outras despesas pessoais, como dívidas de cartão de crédito.

De acordo com a acusação, para encobrir o esquema e obter mais dinheiro, Lelis Bolin supostamente forneceu à vítima um tribunal distrital dos EUA fabricado, alegando um número de processo falso que a mostrava como advogada do litígio. Lelis Bolin não é uma advogada licenciada. Ela também é acusada de ter falsificado formulários de imigração dos EUA, forjado múltiplas assinaturas e criado recibos falsos do projeto de investimento do Texas, todos os quais ela enviou por e-mail para uma vítima. Lelis Bolin também supostamente criou falsas personas associadas ao fundo de investimento do Texas e enviou e-mails desses indivíduos para tentar obter ainda mais dinheiro. A acusação alega que ela convenceu amigos a se passarem por funcionários do fundo de investimento do Texas em ligações e videochamadas com uma vítima. Quando uma vítima finalmente se recusou a enviar-lhe mais dinheiro, Lelis Bolin supostamente ameaçou os pais da vítima com a remoção dos Estados Unidos e depois os encaminhou para uma agência de cobrança.

Acusada de fraude eletrónica, transações monetárias ilegais e roubo de identidade agravado, Lelis Bolin enfrenta uma pena máxima de 20 anos por fraude eletrónica, 10 anos por transações monetárias ilegais e um mínimo obrigatório de dois anos por roubo de identidade agravado. A sentença final, sujeita ao critério de um juiz federal e às Diretrizes de Penalidades dos EUA, provavelmente será inferior ao máximo.

Até o momento deste comunicado de imprensa, Lelis Bolin continua foragido. O escritório local do FBI em Washington está apelando ao público para obter informações sobre o seu paradeiro.

O anúncio da acusação foi feito por Jessica D. Aber, promotora dos EUA para o Distrito Leste da Virgínia, e David Geist, agente especial interino encarregado da Divisão Criminal do FBI em Washington Field. Os promotores assistentes dos EUA, Russell Carlberg e Drew Bradylyons, estão processando o caso.

Esta acusação serve como um grave lembrete das consequências de fraudar indivíduos vulneráveis ​​que procuram rotas legais de imigração para os Estados Unidos. O Ministério Público dos EUA e o FBI sublinham que uma acusação é apenas uma acusação e que Lelis Bolin é presumida inocente, a menos que a sua culpa seja provada.

Newsbreak USA

Midia move o mundo