A verdade dos fatos é a nossa notícia

BrasilDestaqueThehotsporlando

Frentista que teve o pênis amputado pede R$500 mil em indenização por vazamento de fotos

Frentista que teve o pênis amputado pede R$500 mil em indenização por vazamento de fotos

Gilberto Nogueira de Oliveira, frentista de 39 anos cujo pênis foi amputado pela companheira após a descoberta de traição, iniciou um processo contra a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Cerejeiras e o Hospital Universitário São Francisco Paulista. A ação busca uma indenização de R$ 500 mil por violação de sigilo médico e danos morais. A informação foi divulgada pela coluna True Crime, do jornalista Ullisses Campbell, no jornal O Globo.

O crime ocorreu em 22 de dezembro do ano passado, e Gilberto ainda se encontra em processo de recuperação. Ele alega que tem sido contatado por mulheres desde que seu caso ganhou destaque na mídia.“Muitas garotas estão me procurando. Isso é interessante para a minha autoestima. Mas até agora tenho só conversado com elas. Não quero encontrar ninguém até me restabelecer fisicamente. Minha prioridade agora é me recuperar para um dia poder me casar novamente e ter mais filhos”, afirmou o frentista, que já é pai de uma menina de 7 anos.

O incidente ocorreu em Atibaia, interior de São Paulo, quando a ex-mulher cortou a genitália do marido com uma navalha após descobrir uma suposta traição com a própria sobrinha, de apenas 15 anos.Após a emasculação, Gilberto procurou atendimento médico nas duas unidades de saúde, onde alega ter tido o ferimento fotografado por profissionais de saúde. Ele os responsabiliza pelo compartilhamento das imagens, que viralizaram nas redes sociais.

É importante destacar que as primeiras imagens do pênis amputado que circularam na internet foram tiradas pela própria companheira. Após o ato, ela fotografou o órgão cortado e enviou a imagem no grupo da família e de moradores da cidade de Atibaia. Atualmente, Gilberto está em tratamento com médicos e psicólogos, após utilizar uma sonda para urinar, a qual foi retirada há três semanas. “Estou levando uma vida normal, até onde é possível”, relatou ao veículo.

Gazeta Brasil

Midia move o mundo