WikiLeaks: Justiça aprova pedido de recurso dos EUA para a extradição de Julian Assange

A Justiça do Reino Unido aprovou, nesta sexta-feira (10), um pedido de recurso dos Estados Unidos para a extradição de Julian Assange, fundador do WikiLeaks.

O australiano de 50 anos enfrenta, no país americano, ao menos 18 acusações criminais, incluindo uma violação da lei de espionagem, e conspiração para invadir computadores do governo.

“O tribunal permite o recurso”, disse o juiz Timothy Holroyde.

A decisão deixa Assange um passo mais perto de ser extraditado, mas ainda existem outros obstáculos – e pode ter que ser aprovada pelo governo britânico antes da decisão final.

Os EUA vêm tentando apresentar garantias à Justiça britânica sobre o tratamento que Assange receberia caso fosse entregue ao governo americano.

A noiva de Assange disse em nota, logo após o anúncio desta sexta, que sua equipe jurídica vai recorrer “assim que possível” contra a decisão do tribunal de Londres.

Segundo o advogado que representa os EUA, Assange não será submetido a medidas especiais nem ficará detido no temido centro penitenciário de altíssima segurança ADX Florence, no Colorado.

Os americanos pedem a extradição de Julian Assange por conta de um vazamento em massa de documentos confidenciais – divulgados na plataforma WikiLeaks.

James Lewis, advogado representante do governo americano, garantiu que Assange receberá os cuidados médicos necessários e poderá solicitar cumprir sua pena na Austrália, seu país de origem.

AIN, G1

error: CONTEÚDO PROTEGIDO