Terceira mulher denuncia médium por estupro

Uma terceira denúncia contra o médium Paulo Roberto Reveroni, mais conhecido como Paulinho de Deus, foi registrada na delegacia de Catanduva (SP) por abusos sexuais e ameaças, segundo informou a Polícia Civil. A data do registro não foi divulgada.

Paulo foi preso suspeito de estupro de vulnerável na última quinta-feira (4), por policiais da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Catanduva.

A primeira denúncia contra o médium foi feita pela ex-enteada, que alegou que tinha sido vítima de estupro por 22 anos. A segunda foi da filha adotiva, que contou que sofreu abusos na infância. Já a terceira é de uma mulher que frequentava o Centro Espírita Paulo de Tarso, coordenado pelo suspeito.

Em entrevista à TV TEM, ela contou que começou a ser abusada por Paulo quando tinha apenas 8 anos.

“Ele me falou que precisaria me dar um passe. Foi aí que tudo começou. Entrei na sala, e ele começou a dar o passe normal. Mas depois de um tempo, começou a pegar nos meus seios e a passar a mão. Quando abri os olhos, ele estava com o pênis para fora”, desabafa a jovem, que prefere ter a identidade preservada.

“Fiquei muito nervosa, saí chorando e falei não voltaria. Minha mãe e meu pai não entendiam o motivo. Achavam que era birra de criança. Até comentei com uma amiga minha que, hoje, é minha testemunha. Ela era criança e disse que ficou sem reação. Afinal, era o tio Paulo que estava fazendo aquilo”, complementa.

Para que ninguém descobrisse os abusos sexuais e psicológicos, a jovem relata que Paulo ameaçava matar o pai e a mãe dela.

“Sempre fiquei quieta. Até que as ameaças foram piorando. E assim foram quatro anos da minha vida. Ele acabou com minha infância. Isso aconteceu dos 8 aos 11 anos. Fiquei revoltada e comecei a ir em um psicólogo”, conta.

G1, Rede GNI