Polícia Civil confessa ter matado jovem

Em depoimento na Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense, a policial civil suspeita de assassinar Isadora Calheiros, de 25 anos, confirmou ter atirado na jovem na sexta-feira (26). Uma fonte na polícia disse ao g1 que a agente é formalmente investigada por homicídio doloso.

A policial, que não teve a identidade revelada e está solta, também declarou na delegacia ter descoberto uma suposta traição do marido com Isadora. Segundo a agente, o marido – com quem tinha reatado recentemente – e a vítima trocaram mensagens (o conteúdo ainda é desconhecido).

Também em depoimento, a policial afirmou ter contado sobre a situação para o namorado de Isadora, e que depois disso viu um “carro” perto da própria casa. O mesmo veículo, segundo o relato, foi visto na porta da casa da jovem.

A agente contou ter ido à autoescola onde Isadora trabalhava para falar sobre a presença do carro, mas não a encontrou. No dia seguinte, segundo a policial, Isadora foi à casa dela e a agente saiu armada. As duas mulheres brigaram e a policial admitiu ter atirado em Isadora.

Após depor na segunda-feira (29), a agente entregou a arma e a carteira funcional de policial, e foi liberada. Segundo a fonte, a policial tem um filho de 7 meses que está em período de amamentação.

A família de Isadora Calheiros, de 25 anos, contou que ela tinha um envolvimento amoroso com o marido de uma policial civil, de família bastante conhecida na cidade.

A polícia investiga se o motivo do crime foi esse relacionamento. Depois de ser baleada, a mulher chegou a ser levada para a UPA de Queimados, mas chegou morta à unidade.

Isadora trabalhava como recepcionista numa autoescola e deixou uma filha de 6 anos, que tem deficiência física. O corpo de Isadora foi enterrado no sábado (27).

Henrique Coelho, g1 Rio


ENTENDA A HISTÓRIA Mulher é assassinada com tiro na cabeça

error: CONTEÚDO PROTEGIDO