O que a polícia já sabe sobre as mortes em um condominio de luxo?

O tenente-coronel Eduardo Cunha Michel, comandante do 1º Batalhão de Polícia Militar (1º BPM), disse que Driemeyer teria usado duas espingardas calibre 12 para matar o filho de 14 anos; a esposa, de 45; a sogra, de 81; e a própria mãe, de 79 anos. Em seguida, teria usado uma das armas para se matar.

Conforme o 1º BPM, vizinhos ouviram disparos de arma de fogo e entraram em contato com a Brigada Militar (BM) por volta das 8h. Na casa, que fica no bairro Santa Tereza, Zona Sul da Capital, os policiais encontraram os corpos dentro dos quartos.

O local foi isolado pela BM para que a Polícia Civil e o Instituto-Geral de Perícias (IGP) pudessem coletar provas. A presença de uma pessoa desconhecida na casa está descartada.

“Pelo que se viu da dinâmica do fato, da posição dele, das lesões na mão dele, somado às imagens de câmeras que foram coletadas, dá a entender que não há presença de outra pessoa dentro do condomínio ou na residência”, acrescenta o delegado.


LEIA MAIS

Homem mata toda a família e depois comete suícidio

Dívida de R$ 30 milhões pode ser o motivo para as mortes de 5 pessoas da mesma família

Família morta em condomínio é velada em Porto Alegre

Leia Também

Morre o prefeito de Pedro Juan Caballero, após ser vítima de um atentado

Leia Mais

Madrasta ‘ficou rindo’ ao servir mais feijão envenenado ao enteado

Leia Mais