Navio histórico Endurance é encontrado depois de 107 anos

A lendária embarcação Endurance, que naufragou há 107 anos na Antártica, foi encontrada por por um grupo de cientistas e exploradores no no fundo do Mar de Weddell. O navio foi esmagado pelo gelo do mar e afundou em 1915, forçando seu capitão, Ernest Shackleton e seus homens a fazer uma fuga surpreendente a pé e em pequenos barcos. A proeza foi reproduzida em diversas produções, entre elas a minissérie ‘Shackleton’, que teve como protagonista Kenneth Branagh.

O mais impressionante de tudo isso é que a embarcação, encontrada a três quilômetros de profundidade, está em ótimas condições. As madeiras de seu corpo, embora quebradas, ainda estão reunidas, e o nome – Endurance – é claramente visível na popa. “Sem nenhum exagero, este é o melhor naufrágio de madeira que eu já vi – de longe”, disse o arqueólogo marinho Mensun Bound, que está na expedição de descoberta e agora concluiu a missão que era seu sonho há 50 anos

O projeto para encontrar o navio perdido foi montado pelo Falklands Maritime Heritage Trust (FMHT), usando um quebra-gelo sul-africano, Agulhas II, e equipado com submersíveis operados remotamente. O líder da missão, o veterano geógrafo polar Dr. John Shears, descreveu o momento em que as câmeras pousaram no nome do navio como “de cair o queixo”. “A descoberta do naufrágio é uma conquista incrível”, acrescentou.

“Concluímos com sucesso a busca de um naufrágio mais difícil do mundo, lutando contra o gelo marinho em constante mudança, nevascas e temperaturas caindo para -18°C. Conseguimos o que muitas pessoas diziam ser impossível”, revelou.

O naufrágio é considerado um monumento designado sob o Tratado Internacional da Antártida e não deve ser perturbado de forma alguma. Nenhum artefato físico foi, portanto, trazido à superfície. O navio tem a mesma aparência de quando fotografado pela última vez pelo cineasta de Shackleton, Frank Hurley, em 1915. Os mastros estão abaixados, o cordame está emaranhado, mas o casco está em aparentes boas condições. Alguns danos são evidentes na proa, presumivelmente em decorrência do impacto com o fundo do mar. Botas e louças puderam ser vistos pelas câmeras da equipe.

“Você pode até ver o nome do navio – ENDURANCE – arqueado em sua popa diretamente abaixo do taffrail (um corrimão perto da popa). E abaixo, tão ousado quanto latão, está Polaris, a estrela de cinco pontas, após a qual o navio foi originalmente chamado”, disse Mensun Bound. “Você pode ver uma vigia que é a cabine de Shackleton. Nesse momento, você realmente sente a respiração do grande homem na nuca”, revelou o historiador.

“Parece que há pouca deterioração da madeira, deduzindo que os animais que comem madeira encontrados em outras áreas do nosso oceano não são, talvez sem surpresa, não na região antártica livre de florestas”, comentou a bióloga polar do fundo do mar, Michelle Taylor, da Universidade de Essex. “O Endurance, parecendo um navio fantasma, é salpicado com uma impressionante diversidade de vida marinha do fundo do mar – ascídias, anêmonas, esponjas de várias formas, estrelas quebradiças e crinóides (relacionados a ouriços e estrelas do mar), todos filtradores nutrição das águas frias e profundas do Mar de Weddell”, mas nenhuma delas que consumisse a estrutura da embarcação.

Ernest Shackleton e a tripulação do Endurance tentavam fazer a primeira travessia terrestre da Antártida, mas teve que abandonar a missão quando o navio ficou preso e depois furado pelo gelo marinho. A partir de então, o capitão começou uma joranada por sobrevivência, usando um pequeno bote salva-vidas por mares ferozes para obter ajuda.




Uma das últimas fotos originais do Endurance (Foto: domínio público)

Leia Também

Idosa e diarista são encontradas degoladas em imóvel de luxo

Leia Mais

Os horrores da guerra do Vietnã: ‘Garota Napalm’ 50 anos depois

Leia Mais

Homens armados matam 50 pessoas em igreja católica na Nigéria

Leia Mais