Mulher é morta por traficante em São Gonçalo

Partiu de um traficante o tiro que matou a funcionária de casa lotérica Janaína dos Santos Peres, de 39 anos. A afirmação é da Polícia Civil: segundo investigadores, ele manuseava uma arma, ao lado de outros criminosos, quando ocorreu o disparo. O caso ocorreu na noite de domingo em São Gonçalo – ela estava tão feliz com o passeio que havia feito com os dois filhos que decidiu ir à igreja que frequentava para agradecer a Deus pelo Dia das Mães. Quando voltava para casa, no bairro Santa Isabel, foi alvejada.

Ontem de madrugada, Janaína não resistiu ao ferimento. Ela morreu no Hospital Estadual Alberto Torres, onde chegou a ser submetida a uma cirurgia. Segundo a polícia, um traficante que mexia numa arma foi o responsável pelo disparo.

O caso está sendo apurado pela Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí. Segundo investigadores, Janaína levou o tiro em uma rua do bairro Amendoeira. O autor do disparo ainda não foi identificado.

Janaína havia ido à igreja de motocicleta. Estava na garupa quando foi baleada. Seu filho de 13 anos pilotava e, de acordo com a família, ficou em estado de choque.

A filha Mariana Peres, de 18 anos, contou ao “RJ TV”, da Rede Globo, que Janaína estava muito contente pelo Dia das Mães. A jovem, o irmão e a comerciária almoçaram fora, passearam ao ar livre e tiraram várias fotos.

— Na hora da tragédia, não tinha tiroteio, não tinha nada. Meu irmão falou que estava rindo e conversando com nossa mãe quando ouviu um barulho. Ele disse “é tiro” e, de repente, sentiu a moto levantar. Ela havia caído para trás, de costas no asfalto. Se nossa mãe não com ele, meu irmão é que teria levado o tiro — disse Mariana, emocionada.

Nas redes sociais, parentes e amigos fizeram homenagens a Janaína e cobraram justiça.

Extra, Rio de Janeiro