Jovem é morto com 15 tiros, algemado e dentro de uma delegacia

O pai do jovem Matheus Silva Cruz assassinado dentro de uma delegacia da Polícia Civil, no interior do Ceará, por um policial militar de folga, na madrugada deste domingo (6), disse ao g1 que o seu filho era o seu maior amor e uma ”tela preciosa”. O PM foi preso e indiciado por homicídio qualificado.

Matheus, 19 anos, foi morto dentro da Delegacia de Polícia Civil de Camocim, após uma discussão com o policial George Tarick de Vasconcelos Ferreira, de 33 anos.

O pai do jovem disse que ele estava algemado, machucado após ter sido agredido em uma boate da região.

Segundo nota da Secretaria da Segurança, o PM discutiu com o rapaz, e os dois foram levados para delegacia. Enquanto aguardavam os procedimentos na delegacia, o PM atirou contra ele e o matou.

O militar disse em depoimento ter atirado contra o jovem “em um momento de fúria, levado por violenta emoção”.

“Essa pessoa que matou o Matheus já se encontra presa e, por mim, passa o resto da vida dele preso lá. Não justifica ele ter matado o meu filho, meu filho era o meu amor, minha tela preciosa, eu amava muito o meu filho, não precisava ele ter matado o meu filho”, disse o comerciante Eglício de Souza Cruz.

Mateus trabalhava no pet shop do pai, na cidade de Camocim, como tosador e entregador. Segundo a família, o jovem não tinha antecedentes criminais. “Estamos arrasados, e a gente quer justiça com esse policial e também com os outros que estavam juntos com ele [o suspeito], não só esse que matou ele, mas outros que bateram nele também”, afirmou o pai.

O jovem e o policial tiveram uma discussão em uma festa que ocorria na Praia de Camocim. O pai disse que, por volta de 2h, recebeu uma ligação da namorada de Matheus, informando que ele estava sendo espancado por PMs na orla da cidade. O homem encontrou o filho detido no carro de polícia ensanguentado e vomitando, conforme relatou ao g1.

O comerciante contou que os policiais que atenderam a ocorrência disseram que iriam levar Mateus para o hospital e, em seguida, para a delegacia. Ele se encaminhou à unidade hospitalar, mas a polícia não foi ao local. Então, ele foi à delegacia quando se deparou com uma grande quantidade de pessoas do lado de fora.

“Quando chego lá, já tá cheio de policial e não deixaram eu entrar. Aí eu perguntei o que foi que aconteceu, todo mundo ficou calado e não falou nada. O Matheus foi preso com outro colega dele, o Isac. O pai do Isac chegou e falou pra mim ‘mataram o teu filho aí’. Eu fiquei perguntando pros policiais o que tinha acontecido e eles não falaram nada”, conta Eglício.

O relato do amigo de Eglício se confirmou. “A gente tá muito triste com um ato cruel, eles carregaram 15 munições no meu filho, dentro da Civil, algemado. E a gente tá muito triste, o meu filho, eu amava ele, era o meu filho do coração. A gente morava junto, só tinha 19 anos de idade, tiraram ele, arrancaram um pedaço de mim“, diz.

PM foi indiciado

O PM foi preso, autuado em flagrante por homicídio e teve a arma apreendida, segundo a Secretaria da Segurança. Neste domingo (6), ele foi indiciado por homicídio qualificado e está à disposição da Justiça.

A Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos de Segurança Pública e Sistema Penitenciário (CGD) disse que determinou a instauração de processo disciplinar para apuração do caso na seara administrativa, estando, atualmente, em trâmite.

Itallo Rocha e Cadu Freitas, g1 CE


Leia Também

Morre o prefeito de Pedro Juan Caballero, após ser vítima de um atentado

Leia Mais

Madrasta ‘ficou rindo’ ao servir mais feijão envenenado ao enteado

Leia Mais