Fluxo de acessos na internet: Como ter mais acessos ao meu site?

Eu escuto muita a essa pergunta: Como ter mais acessos ao meu site?

Apesar de ser um título um pouco rebuscado, o post ‘Fluxo de Acessos na Internet’ tem o objetivo de tentar esclarecer uma dúvida recorrente para Editores, Programadores, Analistas de Sistemas, Donos de Sites e novatos na programação de um Site: Por que varia tanto os acessos ao meu site?

Longe de mim alguma arrogância de imaginar que irei ter todas as respostas para um tema tão complexo ou sequer imaginar que eu seja algum ‘expert’ no assunto, pelo contrário, ainda estou engatinhando e aprendendo mesmo depois de 15 anos de esmeros estudos, acuradas pesquisas, porém, vou tentar passar a ideia clara do que eu já aprendi de uma maneira simples e clara, direta e sem rodeios.

TENHA EM MENTE QUE:

Você não terá vida fácil e não será fácil aumentar ou criar um site com audiência relevante. Você terá que investir muito, estudar muito e trabalhar muito.

QUANTO TEMPO LEVA PARA TER RETORNO DE UM SITE?
Essa pergunta tem uma resposta dupla: Retorno Financeiro e retorno de audiência (Acessos).
Retorno Financeiro é algo que não temos como avaliar ou dar um prazo, pois você pode negociar os seus próprios contratos ou colocar o seu negócio (site) em uma agência de publicidade que irá negociar os seus contratos e por isso você vai depender do seu cliente e do fluxo que você terá em seu negócio. E vai depender dos prazos da agência. Se você optar pela Google Adsense os pagamentos são internacionais e vem de Atlanta, USA.
Retorno de Audiência (Acessos): Não espere milagres, tanto em indexação (falaremos mais disso adiante) como em compartilhamentos, o retorno médio de um investimento em um site (volume de acessos ‘Direts’ e orgânicos) varia de 6 meses à 2 anos para começar obter resultados significativos… Fora isso é Mágica ou Sorte.

VAMOS COMEÇAR A COMPREENDER

Quando você começa a questionar-se o real motivo de o Por que varia tanto os acessos ao meu site?, isso já demonstra que você leva a sério o seu trabalho, por que você está buscando respostas e só buscamos com a ênfase em melhorar sempre, em achar soluções para aumentar o nosso engajamento (Redes Sociais), posicionamento (Alexa) e relevância (Google Analytics).

Por isso você deve ter em mente:

PERÍODOS QUENTES E FRIOS
Períodos que eu chamo de quentes ou frios são os momentos que apontam para um vertiginoso aumento de buscas (pesquisas na Web) ou arrefecimento dessas mesmas pesquisas, exemplo: A morte do MC Kevin sacudiu a internet, e após a sua divulgação (morte) os sites receberam um aumento substancial de 70% no volume de pesquisas orgânicas bem como dos acessos organicos, sem contar no crescimento dos ‘directs’ e acessos oriundos de links compartilhados em redes sociais.

Foi um UP maiúsculo.

São nesses períodos de alta ou ‘quentes’ que os responsáveis pelos sites, que dependem dos volumes de acessos para sobreviver (audiências), precisam criar posts relevantes, conteúdos próprios e compartilhar ou replicar posts análagos usando todas as redes sociais possíveis, para gerar receitas em engajamentos e compartilhamentos. No caso de replicar não esqueça da máxima: reescrever o escopo (para não ser congelado nas pesquisas) e indicar obrigatoriamente a fonte, se assinada.

TRÍADE DE FERRAMENTAS
E nessa questão o uso da ferramenta Google Trends é imprescindível, para sabermos o que está em alta naquele momento no Brasil e no Mundo.

Ela fornece um ‘norte’ específico dos assuntos mais procurados na internet naquela hora, dias, semanas, meses e anos.

Outra ferramenta que eu uso para descobrir os períodos quentes e frios é a Google Analytcs para compreender o que o meu leitor está acessando naquele momento e o que ele está buscando em meu Portal de Notíciais. Eu preciso saber o que ele mais lê, e para isso o GA aponta claramente para os assuntos em alta naquele momento dentro do meu site.

Uma outra ferramenta que eu uso, que não tem por objetivo central apontar para pesquisas, mas acaba me fornecendo um ‘norte’ é a Google Adsense, por que eu passo a compreender de onde vem os cliques em meus anúncios e eu acabo percebendo em que páginas eles aconteceram, ou seja, eu compreendo aonde os meus leitores estavam (seção do site) para clicar em um determinado anúncio.

Essa tríade de ferramentas, Trends, Analytics e Adsense me fornecem uma bússula do que está sendo mais pesquisado na internet naquele momento, no Brasil e no mundo, e eu determino para os meus colaboradores e jornalistas postarem e criarem reportagens desses assuntos para trazerem mais acessos, engajamentos e compartilhamentos ao meu site, criando acessos e relevâncias.

É cansativo e meticuloso, mas fundamental para o crescimento em acessos orgânicos.

SEM INVESTIMENTOS E MUITO TRABALHO VOCÊ NÃO VAI CHEGAR A LUGAR ALGUM
Um subtópico extenso (em sua chamada) mas não tem como não ser:

Primeiro, sem investimentos financeiros (links patrocinados) o seu trabalho de digulgaçao de seu site será inglorioso e mais demorado, por que os Links Patrocinados tem a tendência de serem imediatistas, mais divugados nas redes sociais e ter uma maior absorção no que chamamos de Propagação na WEB, que é o seu link estar indexado em todos os mecanismos de pesquisas.

Essa propagação (indexação) leva de 24 horas à 7 dias para que cada link que você divulgou estar fixado e disponível (indexados) em todos os mecanismos de buscas (pesquisas), para apartir daí ele ser ‘chamado’ pelos robôs.

Segundo, e um detalhe que eu considero FUNDAMENTAL: Sem muito trabalho, eu até diria ‘sem um cansativo trabalho (intenso)’, você não vai chegar a lugar algum.

Muitos querem muitos acessos aos seus sites, mas não querem ‘pagar o preço’ = Trabalhar exaustivamente, investir financeiramente, compartilhar à exaustão e investir horas de trabalho.

Acreditam que os volumes de acessos vão acontecer só porque o site existe… Essa é uma Mentalidade Infantil.

Eu vou dar um exemplo que acredito ser elucidativo para esta questão: Em 2014 eu e a minha ex-esposa iríamos comemorar aniversário de casamento. Compramos roupas novas, deixamos as crianças com a minha sogra, reservamos um restaurante sofisticado e a melhor suíte no mais caro hotel de Campo Grande, Mato Grosso do Sul. Meia hora antes de sairmos de casa para essa celebração que eu investi muito dinheiro algo inesperado aconteceu… Sumiu dos radares do Aeroporto de Kuala Lumpur o voo MH370 com 239 pessoas a bordo daquele Boeing 777. Tornou-se uma noticia quente e quando corremos para as estações de trabalho da Redação da Rede GNI e começamos a escrever, publicar e replicar as notícias daquele voo, em três dias (Plantão da Redação) obtivemos 5 milhões de acessos de todos os lugares do mundo (efeito Tags) e lucramos R$ 2.398,00 com cliques em Links Patrocinados (em 3 dias). Nunca havíamos tido aquele volume de acessos e retorno de cliques desde a criação da empresa e portal.

Eu fiquei três dias e três noites sem dormir (no máximo um cochilo) e após muitas xícaras de café e uma cobertura (plantão) cansativa, consequimos o retorno financeiro que só ocorreu após muito trabalho.

Jornalismo e ter um site na internet é sinônimo de muito esforço, dedicação, trabalho, investimento, renúncia e obstinação. Só assim você terá um site com muitos acessos.

O BE-A-BÁ DE UM SITE
Outros fatores que influenciam em seus acessos (grandes ou pequenos), que eu chamo ‘be-a-bá’  de um site, por eles serem básicos e previsiveis são:

1 – Usar uma plataforma amigável e indexada, nesse caso eu indico com muita propriedade a WordPress;

2- Usar um tema amigável, indexado, robusto, flexível e com código aberto, nesse caso temos inúmeras opções, mas como Endorse da ThemeGrill eu indico o ColorMag;

3 – Usar Códigos, estruturas, html, php, plugins e varíaveis limpos, sem erros e tanto quanto possivel, secos e curtos;

4 – Abusar do compartilhamento, da indexação diária e ininterrupta;

5 – Otimize o seu site;

6 – Criação de conteúdo próprio, bem escrito, evitando erros gramaticais, dando atenção a estrutura de arquivos (separação de tópicos), dando atenção as TAGs e suas variáveis (próprias) e investir pesadamente em SEO;

7 – Invista em SEO. Para quem não sabe SEO significa Search Engine Optimization. É um conjunto de técnicas que visa posicionar uma página (site) nos primeiros resultados (primeiras páginas) de mecanismos de busca online (Orgânica) como o Google, Bing, Yahoo, Baidu, Search e ASK. Uma outra definição para SEO é que são técnicas de otimização de páginas para mecanismos de busca, ara indexar uma página (site) na Web. Ou seja, ter os seus links apontados como solução para as palavras-chave mais importantes para cada nicho. Quando a estratégia é bem-sucedida, aumenta não apenas o número de visitantes em seus sites, mas também o de leads, que são os potenciais clientes do negócio. Nesse caso eu uso a “Teia de Aranha“, uma técnica SEO que eu criei que consiste em:

8 – O uso de técnicas SEO: Palavras-chaves, códigos, estruturas, ‘names’, negritos, fontes com o mesmo nome, TAGs variáveis e co-relacionadas e frames-no-frames;

9 -Nunca usar Black Hat (em hipótese alguma). Black Hat são técnicas agressivas de SEO que não seguem as diretrizes dos buscadores e tentam manipular suas regras, com objetivo de obter grandes resultados em pouco tempo e correndo risco de receber punições. O famoso Clikbait. Clickbait é uma tática usada na Internet para gerar tráfego online por meio conteúdos enganosos ou sensacionalistas. Também chamado de “caça-clique”, esse termo refere-se também à quebra de expectativa por parte do usuário que foi “fisgado” por essa isca de cliques mentirosos e que serão banidos (links e sites) pela Google – Ela não perdoa Black Hat;

10 – Crie Posts com escopos chamativos, atrativos e verdadeiros (que tenham relevância com o seu texto);

11 – Nunca use sites gratuitos se você quiser ter uma monetização relevante, sites com grandes volumes de acessos e viver de sites, sendo de que nicho for. Para você entender esse ítem, acesse e leia esse artigo https://seoleovilhena.wordpress.com/2020/03/09/por-que-voce-deve-evitar-um-site-gratis/

Aplicando tudo o que eu escrevi acima, pode comemorar: O teu site terá relevantes acessos (audiência).

Léo Vilhena | Rede GNI
Jornalista, Analista e Programador