EUA anunciam morte do chefe do Estado Islâmico em ataque na Síria

O governo dos EUA anunciou a morte do comandante do grupo terrorista Estado Islâmico, Abu Ibrahim al-Hashimi al-Qurayshi, na madrugada desta quinta-feira, em um ataque de suas forças especiais em Atmeh, no Noroeste da Síria. A ação é considerada o mais duro golpe na organização terrorista desde a operação que matou seu antigo líder, Abu Bakr al-Baghdadi, em outubro de 2019.

— A força militar dos EUA removeu, com sucesso, uma grande ameaça terrorista para o mundo, o líder global do Estado Islâmico — afirmou Biden, em entrevista coletiva na Casa Branca.

Segundo o presidente, o ataque foi realizado com militares das forças especiais em solo para “minimizar” o risco de vítimas entre civis — segundo equipes de resgate locais, 13 pessoas morreram, incluindo seis crianças. No caso de al-Qurayshi, Biden confirmou relatos anteriores de que o líder terrorista morreu ao detonar explosivos antes de ser capturado.

— Em um ato final de desespero, sem pensar nas vidas de seus familiares, escolheu se explodir, não com um colete, mas sim explodir todo o terceiro andar [da casa], ao invés de encarar a Justiça pelos crimes que cometeu — afirmou Biden. — E ele levou vários integrantes de sua família consigo, assim como aconteceu seu antecessor [al-Baghdadi].

Segundo a agência Reuters, citando funcionários da Casa Branca, a explosão provocada por al-Qurayshi foi responsável pela morte de quase todas as pessoas que estavam na casa. Antes da invasão, as forças especiais alertaram a população para que se afastasse.

Durante o pronunciamento, Biden afirmou que a operação levou alguns meses para ser planejada, contando com o apoio de aliados na Síria. O presidente acompanhou em tempo real o ataque, e viu quando um dos helicópteros teve problemas técnicos — segundo a CNN, a aprovação para o ataque foi dada na terça-feira, e o clima na Casa Branca era de tensão máxima.

Também conhecido como Amir Mohammed Abdul Rahman al-Mawli al-Salbi, al-Qurayshi, nascido no Iraque, assumiu o comando do Estado Islâmico dias depois da morte de al-Baghdadi, alvo de um ataque dos EUA na Síria.

Inicialmente visto como ilegítimo por alguns dos apoiadores do grupo, e com poucas aparições públicas, ele foi um dos responsáveis pelo ressurgimento recente das atividades da organização no Iraque e na Síria. O governo americano oferecia uma recompensa de US$ 10 milhões por informações que levassem à sua captura.

Horas antes do anúncio da morte do comandante do Estado Islâmico por Biden, o Departamento de Defesa dos EUA havia divulgado uma nota curta, confirmando a operação no Noroeste sírio e afirmando que a ação fora um sucesso.

Ao mesmo tempo, veículos de imprensa locais reportavam uma série de ataques em Atmeh, na província de Idlib, uma das áreas onde o Estado Islâmico ainda tem posições, assim como grupos ligados à al-Qaeda. De acordo com o New York Times, as forças especiais receberam o apoio de helicópteros, artilharia pesada, drones de ataque Reaper e caças de combate — a ação trouxe semelhanças com o ataque contra Abu Bakr al-Baghdadi, em 2019, também na província de Idlib.

— Acordamos por volta da uma da manhã com o som dos helicópteros, e depois, às 3 da manhã, ouvimos uma série de ataques — declarou, à Al Jazeera, Abu Fahed al-Homsi, que vive em uma área próxima do local da ação. — Vimos uma casa que havia sido atacada, além de estradas destruídas, mas não temos ideia do que esta acontecendo.

O ataque ocorreu no momento em que o Estado Islâmico dava sinais de força no Iraque e na Síria, justamente os países onde surgiu e onde chegou a controlar um grande território na década passada, e de onde comandou massacres como o ataque ao Campo Speicher, quando 1,7 mil cadetes iraquianos foram mortos, em 2014, e os atentados em Paris, em 2015, com 137 vítimas.

Segundo Biden, al-Quarayshi supervisionou algumas dessas operações. Ele citou ainda seu papel no genocídio da minoria yazidi, no Iraque, quando milhares de pessoas foram mortas, e centenas de mulheres sequestradas e vendidas como escravas.


 

Leia Também

Idosa e diarista são encontradas degoladas em imóvel de luxo

Leia Mais

Os horrores da guerra do Vietnã: ‘Garota Napalm’ 50 anos depois

Leia Mais

Homens armados matam 50 pessoas em igreja católica na Nigéria

Leia Mais