Bolsonaro não cometeu crime de prevaricação em contrato da Covaxin, conclui PF

O que o mundo inteiro já sabia, precisou a Polícia Federal concluir uma investigação que foi pressionada pela Esquerda, para determinar o óbvio: Bolsonaro não cometeu crime de prevaricação em contrato da Covaxin, conclui PF. 

Os senadores da CPI DO Circo devem estar desolados…


A Polícia Federal concluiu, nesta segunda-feira (31/1), que o presidente Jair Bolsonaro não cometeu crime de prevaricação no caso da compra da vacina indiana Covaxin, caso que ganhou publicidade durante a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da covid-19, no Senado Federal.

A PF encaminhou relatório à ministra-relatora do caso, Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF). De acordo com a investigação, não há indícios materiais de conduta criminosa por parte do chefe do Planalto.

A denúncia é uma das principais suspeitas contra Bolsonaro e sua gestão. A possibilidade de eventual participação do presidente foi relatada à CPI da Covid pelo deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) e pelo seu irmão, servidor de carreira do Ministério da Saúde, Luis Ricardo Miranda.

O parlamentar afirmou ter alertado sobre supostas irregularidades no contrato, como superfaturamento, mas o presidente não teria tomado atitude para impedir a compra. À época, a revelação expôs uma série de contradições no discurso bolsonarista a respeito de imunizantes e combate à corrupção.

Com a exposição, o caso se tornou alvo de manifestações no ano passado para pedir o impeachment de Bolsonaro. Da mesma forma, apoiadores do presidente foram às ruas.

Raphael Felice


Edição: Léo Vilhena

Leia Também

João Doria anuncia desistência da pré-candidatura à Presidência

Leia Mais

Presidente Bolsonaro apresenta notícia-crime contra Alexandre de Moraes

Leia Mais