Assassino em série francês morre aos 79 anos

O assassino em série Michel Fourniret, da França, conhecido como “o ogro das Ardenas”, morreu nesta segunda-feira (10), aos 79 anos. Várias famílias de pessoas desaparecidas esperavam que ele fosse levado à Justiça.

Fourniret cumpria duas penas de prisão perpétua por ter estuprado e assassinado pelo menos oito meninas e adolescentes. Ele morreu no hospital La Pitié-Salpétrière, em Paris, para onde havia sido transferido em 28 de abril, informou à APF o procurador de Paris, Rémy Heitz.

Foi aberta uma investigação para “apurar as causas de sua morte”, uma prática sistemática em caso de morte de um prisioneiro, indicaram fontes próximas.

Segundo o jornal “Le Parisien”, ele tinha problemas cardíacos e sofria de Alzheimer. Internado, foi “colocado em coma induzido”, e se adotou um protocolo de suporte ao fim da vida.

Fourniret leva para o túmulo vários segredos, incluindo onde enterrou a pequena Estelle Mouzin, uma menina de 9 anos que desapareceu em 2003 e que ele admitiu ter estuprado e matado.

Apesar de sua confissão e dos detalhes fornecidos por sua ex-mulher e cúmplice, Monique Olivier, o corpo da garota ainda não foi encontrado.

Não haverá “julgamento”, ou “possibilidade de obter as respostas esperadas”, lamentou Didier Seban, advogado de várias famílias de desaparecidos.

“Há um sentimento de raiva diante de tantos anos de inércia”, comentou. “Sabemos agora o que aconteceu com Estelle, mas, para outras famílias, é sem dúvida tarde demais”, acrescentou, apelando à Justiça para que mude seu “paradigma” para investigar “cold cases”.

Nascido em 4 de abril de 1942 em Sedan (norte), Michel Fourniret, casado três vezes e pai de cinco filhos, teria se transformado gradativamente em um predador sexual, ao descobrir que sua primeira esposa não era virgem.

De dia, ele era um homem de família discreto, segundo admitiu, e à noite se tornava um “caçador”.

Foi condenado em 1967, 1984 e 1987, por uma dúzia de agressões sexuais. Quando saiu da prisão em 1987, estabeleceu-se com Monique Olivier, sua terceira esposa, que se tornou sua cúmplice. Ele a conheceu ainda na prisão por meio de um anúncio.

Michel Fourniret foi preso na Bélgica em 2003, após um sequestro fracassado.

Em 2004, Monique revelou aos investigadores que seu marido era responsável por 11 assassinatos, sete deles cometidos entre 1987 e 2001.

AFP, G1, Rede GNI